Reflexões

ATÉ QUE PONTO TEMOS QUE SER PROFISSIONAIS?

Publicado: dezembro, 2016

ATÉ QUE PONTO TEMOS QUE SER PROFISSIONAIS?

Existe um limite no profissionalismo, quando esse se refere a aquilo que fazemos e damos o título de ministério? Não quero com esse texto ser simplista ou minimizar os problemas e riscos que passamos nas estradas da vida por ai ministrando, a questão é que em nome do profissionalismo tenho percebido que alguns princípios estão sendo deixados de lado, sou totalmente a favor de uma atitude profissional no que diz respeito ao nosso comportamento , na função que exercemos, tocar com excelência, ter responsabilidade, ser caprichoso com o som se que tira, ser pontual, sim atitudes profissionais mas com um coração de servo, o problema é que por causa do profissionalismo, negligenciamos ou nos esquecemos do nosso verdadeiro chamado, eu não quero que me interpretem mal, precisamos entender que somos diferentes de outros artista seculares que a coisa é levado a preto no branco na risca e não os estou criticando,isso é uma outra coisa” é tudo o que eles tem”.

Eles precisam mostrar uma estrutura impecável, onde chame a atenção por que aquilo ali é tudo pra eles…, mas e nós do lado de cá, será que estamos ficando escravos de uma estrutura? Sou a favor de uma estrutura de excelência, é muito bom quando temos tudo o necessário para podermos realizar um bom trabalho, sei também, já vivi várias vezes isso na estrada, o que é o boicote de empresas de algumas empresas por sermos uma banda evangélica isso aconteceu várias vezes não foi uma ou duas vezes mas algumas, mas tudo bem, o que eu tenho percebido é que alguns “ministros” de Deus estão deixando de cumprir seu chamado por que uma estrutura não está exatamente como deveria, ou por que foi combinado, a partir do momento que eu sai da minha casa e eu concordei em ir, eu vou pra ministrar, se eu não concordo com algo desde o início, então nem saio de casa, mas uma vez que eu fui e o povo que está ali, seja ele muito ou pouco e não tem nada a ver com os acordos e desacordos, eu só acho que o que pregamos está acima de qualquer profissionalismo, e quando esbarra ministério vs profissionalismo a quem eu vou obedecer? é possível conciliar os dois, seria maravilhoso, mas nem sempre isso é possível, não estou dizendo que temos que fazer de qualquer jeito, mas nunca podemos nos esquecer que antes de sermos profissionais somos de Deus, mas infelizmente o que muitos conseguem ser é apenas um bom profissional…

Não existe uma versão profissional de ser como Jesus, não existe uma versão profissional de ter um coração como de uma criança, não existe uma versão profissional do negar a mim mesmo, tomar a minha cruz e seguir a Jesus.

Comentários no Facebook

Próximos Eventos